Itanhaém (SP)

Itanhaém - SP

A Capital Nacional da Vela
O arquipélago de Ilhabela é um dos pontos mais bonitos do litoral brasileiro. Com 83% de sua área preservada pelo Parque Estadual de Ilhabela, a cidade abriga a maior reserva de Mata Atlântica do planeta.

Privilegiada com belas praias e mar azul, Ilhabela
Quarenta e duas praias, mar azul com águas límpidas e geografia privilegiada. Esta é Ilhabela, cidade do litoral norte de São Paulo, a 135 km da capital. O município é reconhecido oficialmente como a Capital Nacional da Vela. Por conta da posição geográfica, os ventos se intensificam e são constantes no canal de São Sebastião, que separa a ilha do continente.

Parque Estadual de Ilhabela
Com árvores de 20 a 30 metros de altura e muitas epífitas ( bromélias, caraguatás e orquídeas) o Parque reserva uma floresta densa, onde pode ser observado a vida de todo ecossistema e seus recursos naturais.

Espalhadas pelas ilhas de São Sebastião, dos Búzios e da Vitória existem ainda 18 núcleos de comunidades tradicionais caiçaras, onde cerca de 1,2 mil moradores vivem quase que exclusivamente da roça de subsistência e da pesca artesanal, cujo excedente é comercializado.
Fonte: www.ilhabela.com.br e Secretaria de Turismo da Ilhabela

Ilhabela encanta tanto pelo lado urbanizado quanto pelo selvagem

O maior tesouro de Ilhabela está ao alcance de todos. Percorrendo o litoral recortado, são nada menos que 40 praias e centenas (você leu certo) de cachoeiras a explorar. No imponente relevo montanhoso, picos quase sempre cobertos por nuvens ultrapassam a marca de 1.300 metros. E a mata atlântica da ilha, cobrindo 85% do município, tem a proteção do Parque Estadual de Ilhabela. Um privilégio, considerando que, no total, a área remanescente em nosso país é de apenas 7% da cobertura original.

As praias voltadas para o continente são badaladas e urbanizadas do jeito que estamos acostumados: asfalto, ciclovia, TV a cabo, internet e sinal de celular. No centro histórico conhecido por Vila (do antigo nome da ilha, Villa Bella da Princesa, em homenagem à irmã de D. Pedro I), luxuosas pousadas, cafés, lojas sofisticadas, bares e restaurantes da moda contam com serviço de primeiríssima qualidade.

Esse luxo todo vai até aonde o asfalto durar. Daí em diante, só se chega de jipe (em Castelhanos), por trilhas ou barco. E nada de comunicação, notícias e chateações do mundo exterior. Desligamento total. Para desbravar o lado mais intocado da ilha e suas praias selvagens, basta um pouco de disposição (e muito repelente). A natureza e a magia do lugar se encarregam do resto, enfeitiçando o visitante.

Os mosquitos dão boas vindas à medida que avançamos pela mata. Com um pouco de sorte, tucanos, maritacas, arapongas e pica-paus são avistados, participando da trilha sonora da floresta. De galho em galho, por majestosos jequitibás, jatobás, guaperuvus, cedros e ipês, a macacada grita escandalosa. Até a jaguatirica, ameaçada de extinção, é vista por estas bandas, entre espécies que só existem aqui — caso do cururuá, um roedor peludo e cheio de espinhos.

Nas praias mais remotas, comunidades caiçaras vivem isoladas do resto do mundo, mas em sintonia fina com a natureza. Conservam tradições, costumes e técnicas de caça e pesca que só eles conhecem. Diferentes no modo de falar (alguns trocam o “v” pelo “b”, como em “bassoura”), e mestres na arte de construir as seculares canoas de voga (feitas de um único tronco de árvore).

O fundo do mar lembra os reais perigos de navegação ao redor da ilha em uma coleção de mais vinte naufrágios, uma festa para os mergulhadores. Quem é credenciado para mergulho autônomo (com cilindro de ar comprimido), pode ir a fundo e conhecer de perto navios como o brasileiro “Atílio” (1905), o britânico “Whator” (1909) ou o transatlântico espanhol “Príncipe das Astúrias” (1916), isso sem falar de uma exuberante vida marinha.

Além dos encantos naturais, acima e abaixo d’água, há outra coisa marcante na ilha, principalmente nos feriados e temporadas de férias. É a fila de carros para a travessia da balsa, por vezes quilométrica… Mas não se preocupe, para isso o lado “civilizado” já providenciou a solução. Com antecedência, marque horário na balsa (serviço pago), “fure” a fila e seja feliz. No embarque, ainda em São Sebastião, só fica faltando a placa: Paraíso a 6km.
Fonte UOL

Pontos mapeados

Mogaguá
Itanhaém
Peruíbe
Barra do Una
Aeroporto de Itanhaém
Praia de Vila São Paulo
Praia do Centro
Praia de Vera Cruz
Praia Vila Atlantica
Praia Itaóca
Praia Agenor de Campos
Praia de Itaguaí
Praia de Flórida Mirim
Praia de Jardim Praia Grande
Praia de Jussara
Praia do Centro ( Itanhaém)
Praia de Parque Balneário
Praia de Suarão
Praia de Campos Elíseos
Praia dos Pescadores ( Prainha)
Praia do Sonho
Praia de Jardim Cibratel
Praia de Estância Balneária
Praia de Jardim São Fernando
Praia de Balneário Gaivota
Praia Jamaica
Praia de Jardim Marambá
Praia das Conchas
Praia do Anchieta
Praia do Peruíbe
Praia do Convento ( Abarabebé)
Praia de Belmira Novaes
Praia do Oásis
Praia do Canto
Prainha
Praia de Guaraú
Praia de Guarauzinho
Praia do Arpoador
Praia de Parnapuã
Praia Brava
Praia do Juquiazinho ( Juquiá)
Praia Deserta (Desertinha)
Praia Caramborê
Praia de Barra do Una
Praia do Una
Ilha Givura
Pedra Meia Praia
Ilha Queimada Grande
Ilha Queimada Pequena
Ilha do Guaraú
Ilha da Pedra Grande
Ilha de Peruíbe
Pedra da Garopa
Ilha do Boquete
Laje Paranapuã
Laje da Conceição
Laje de Santos
Rochedos
Ilha do Rio Acima
Morro Taquanduva
Rio Piaçaguera
Rio Itanhaém
Rio Preto
Rio Branco
Rio Curitiba
Rio Una do Prelado
Rio Guaraú
Rio Peruíbe
Rio Juquiá
Rio Aguapéu
Rio Aguapéu
Rio Juquiá
Ponta do Arpoador
Pònta Paranapuã Açú
Ponta do Juquiá

Show Buttons
Hide Buttons
Translate »